AutoConhecimento

A parte que falta

O círculo é a forma geométrica perfeita. Nada sobra e nada falta.

O mesmo não pode ser dito da protagonista desenhada por Shel Silverstein, uma rodinha infeliz e visivelmente incompleta porque está sem um pedaço, o que a impede de rolar como antes. Ela acredita que só vai se realizar e explorar o mundo quando achar A Parte que Falta. O livro segue suas peripécias em busca da felicidade.

Clássico da literatura infantil, com ilustrações singelas e diálogos sensíveis, a história diverte o leitor com as experiências fracassadas da esfera. A personagem se depara no caminho com partes de tamanhos diferentes e tenta preencher com elas o vazio que está sentindo. Umas peças se soltam, outras se quebram. Nenhuma serve.

As esperanças se renovam quando o pedaço aparentemente ideal aparece. Mas essa união a faz rolar tão depressa por onde passa que nem dá tempo de apreciar a paisagem, como ela gosta. A expectativa perde para a realidade e se torna um convite a muitas interpretações. A rodinha tem que aprender a lidar com a falta que a outra parte faz.