AutoConhecimento

PlayList Músicas que contam história!!!

Prontos para essa seleção?

Baseada em Histórias reais, essa seleção tem muita história para contar.

Clique AQUI e se surpreenda.

Rock Around the Clock – Bill Haley

Ela não foi a primeira música de rock da história e seria só mais uma faixa no lado B de um disco.  Mas eis que foi escolhida para a abertura e um filme (Blackboard Jungle), estourou nas rádios e acabou se tornando a responsável pela popularização do rock no mundo. O gênero mudou comportamentos, influenciou gerações e lançou um importante capítulo na história da música.  “Rock Around the Clock” abriu portas para esta revolução e ainda hoje merece reverência nas pistas de dança.

Like a Rolling Stone – Bob Dylan

Um sucesso instantâneo quando foi lançada, em 1965, “Like a Rolling Stone” é considerada a música-símbolo do movimento de contracultura dos anos 60 e meados dos 70. Enquanto o rock ainda seguia o padrão de falar de temas leves, como garotas e juventude, Dylan fazia metáforas sobre problemas sociais e política. Isso numa época em que o movimento estudantil ganhava as ruas em protesto seja contra guerras, seja contra a ideologia reinante.  Marcou a história da música e das ruas. A canção mereceu até o primeiro lugar em lista das melhores da história feita pela revista Rolling Stone americana com mais de 100 críticos.

 Piece of me – Britney Spears

Podemos encontrar músicas que contam histórias na cena do pop! Em “Piece of me”, Britney demonstra as críticas que recebe da mídia, muitas vezes contraditórias (está muito gorda ou muito magra). Mesmo após ter sido mãe, ela é perseguida e criticada.

Ainda assim, a mesma mídia que a ataca com críticas pesadas, continua correndo atrás para encontrar flagras e vender mais suas revistas e jornais com esse pedaço da Britney que eles não largam.

Também nos faz refletir sobre a forma que a mídia vende a imagem de artistas, muitas vezes sendo cruel com a vida pessoal deles. E também a forma como consumimos, como damos audiência a essas notícias sensacionalistas. Tudo isso com Britney!

Anunciação – Alceu Valença

Dentre tantas músicas que contam histórias, muitas foram criadas de forma muito simples, sem uma intenção de grande aprofundamento por trás da letra. Ainda assim, elas têm o poder de empregar significados para cada pessoa, individualmente. É o caso de Anunciação, do grande Alceu Valença.

Segundo o próprio Alceu, ele fez primeiro a melodia com uma flauta, e para a letra, usou elementos por onde ele passava enquanto tocava e de seu cotidiano com sua namorada na época.

Vemos esses elementos para representar, em poesia, uma manhã de domingo, em que havia sol quente e soavam os sinos das catedrais.

Alive – Pearl Jam

Eddie Vedder conta sua história real com essa letra, de quando sua mãe informou que seu padrasto não era seu pai verdadeiro, e que este tinha morrido. É uma música inicialmente triste, e de uma fase de reflexões e descobertas que foi a adolescência do autor.

Mas segundo o próprio Eddie Vedder, os fãs da banda conseguiram interpretar essa letra de uma forma positiva, revertendo o real significado. Enquanto “I’m still alive” (eu ainda estou vivo) inicialmente era depressivo para Vedder, para os fãs virou uma espécie de hino de superação, mudando a percepção do próprio Vedder para esse viés positivista.

Nothing Else Matters – Metallica

Foi composta por James Hetfield durante a turnê do álbum “And justice for all”. Era uma reflexão sobre a saudades da família e amigos, mas que apesar dela, precisava continuar fazendo o que amava (“Life is ours, we live it our ways”). É uma música encorajadora em todos os níveis. Para as batalhas que temos que travar com nossos próprios sentimentos, pelos dilemas que nos fazem abrir mão de coisas que também são valorosas por um sonho maior.

Ela faz o ouvinte acreditar que ver as coisas por um outro ponto de vista (“Open mind for a different view, and nothing else matters”) faz com que ele se desamarre de conceitos e regras que o impedem de seguir em frente.

This Must Be the Place – Naive Melody

Byrne pretendia que a música fosse uma canção de amor sem os clichês do gênero. O título entre parênteses refere-se à construção simples (“ingênua”) da música, que é emoldurada por um ostinato esparso que dura toda a duração da música. Essa simplicidade marcou um ponto de partida para o Talking Heads, que era conhecido por seus complexos polirritmos e funk de inspiração africana.